fbpx

Mantenha sua casa segura e aproveite as férias de inverno

Com a chegada das férias no mês de julho muitas pessoas tiram do papel o planejamento de viagens e aproveitam para conhecer novos lugares.

Desfrutar de dias longe do trabalho, da escola dos filhos e de casa requer cuidados importantes para manter a residência segura.

Se você já está com as malas prontas e ainda não pensou na segurança do seus imóvel, saiba que ainda dá tempo para resolver essa questão.

Neste post, você vai conhecer as melhores soluções para cuidar da proteção da sua casa enquanto aproveita as férias viajando.

Sensores de alarmes

Os sensores de alarme são dispositivos utilizados com frequência em residências.

Existem dois tipos de sensores para atender as necessidades de segurança de cada ambiente: os passivos e os ativos.

  • Passivo: é um receptor de luz infravermelha que identifica movimentos pela variação da temperatura do local. Alguns fornecedores também classificam o equipamento como sensor de presença. Funciona para ligar a iluminação de áreas protegidas, ou para acionar o alarme e comunicar situações suspeitas;
  • ativo: é formado por 2 dispositivos — um deles emite luz e o outro identifica — . No mercado de segurança também é conhecido como sensor de barreira e é acionado quando tem a interferência de algo que atravessa a área protegida.

Cercas elétricas

Equipamento utilizado com frequência em muros, a cerca elétrica é um sistema de segurança que funciona como energizador.

É uma solução que aumenta a proteção por inibir e dificultar invasões em propriedades particulares e comerciais.

A cerca elétrica é feita com fios de aço que conduzem pulsos de alta tensão. O choque emitido pelo eletrificador se repete a cada 1 segundo. Ao ser tocada por alguém, o contato elétrico provoca o afastamento da pessoa.

Estão entre os principais benefícios das cercas elétricas o baixo consumo de energia elétrica e o investimento mais acessível quando comparado com outros sistemas de segurança.

Câmeras de segurança

Registrar a movimentação de ambientes por câmeras é uma solução eficiente para manter a casa segura.

As câmeras de segurança captam imagens para monitorar locais mais vulneráveis, como áreas externas e jardins. Também, são utilizadas em ambientes internos para acompanhar comportamentos de crianças, idosos e até mesmo de pets.

Alguns dos modelos disponíveis no mercado de segurança são:

  • Infravermelho: captam imagens em locais com pouca luminosidade;
  • IP: as câmeras podem ser acessadas via internet;
  • Dome: modelo revestido, indicado para ambientes internos;
  • Bullet: um dos modelos mais conhecidos é instalada em tetos e paredes.

Ainda, não basta contar apenas com sistemas de segurança para garantir a proteção da sua casa. O comportamento dos moradores é fundamental evitar tentativas de arrombamentos e invasões durante as férias.

Cuidados como avisar vizinhos de confiança da sua viagem, ser discreto e evitar comentar com estranhos que sua casa estará vazia são atitudes que fazem a diferença e colaboram para a segurança dos ambientes.

Antes de sair para aproveitar as férias de inverno, faça um check list e confira se as recomendações de segurança foram feitas, como trancar todas as portas e janelas.

A instalação dos sistemas de segurança são ágeis e rápidas quando realizadas por empresas especializadas no assunto. Por isso, ainda dá tempo de proteger seus bens antes de viajar.

Conheça as soluções da JFL, escolha o sistema ideal para manter sua casa segura, e boa viagem!

 

Os 7 erros mais comuns na instalação de alarmes e dispositivos de segurança

Para manter residências e empresas protegidas é preciso acompanhar todas as etapas da implantação de um sistema de segurança.

Não basta adquirir bons equipamentos para manter ambientes seguros. É muito importante que eles sejam instalados corretamente para serem efetivos.

Neste post, você vai conhecer os erros mais comuns cometidos por quem instala dispositivos de segurança. São 7 itens que devem ser evitados para zelar pela segurança do local.

1. Iniciar a instalação sem planejamento

Planejar a implantação do sistema de segurança é fundamental para que a instalação seja feita de forma correta.

O mapeamento das áreas que serão protegidas, as soluções mais assertivas e os equipamentos necessários são identificados no planejamento.

Além disso, é nesta etapa que os locais para os dispositivos de segurança são definidos, assim como os recursos que serão utilizados.

2. Não verificar a iluminação

A incidência de luz é uma questão técnica que deve ser considerada para instalar alarmes, sensores e câmeras. É preciso verificar como é a iluminação do local para escolher o dispositivo mais apropriado.

Ainda, é necessário que sejam feitos testes durante o dia e a noite para garantir o acionamento de sensores e a boa visibilidade de câmeras.

3. Escolher câmeras de baixa qualidade

Falando em câmeras de segurança, existem muitos modelos oferecidos no mercado. Para garantir a qualidade das imagens registradas é importante priorizar pela escolha de bons equipamentos.

É essencial ter em mente o objetivo da instalação de câmeras: monitorar e identificar situações de risco ou suspeitas. Neste caso, é essencial que o equipamento tenha resolução suficiente para isso.

4. Não organizar e expor cabos e conectores

A organização da infraestrutura do sistema de segurança deve ser feita logo na instalação. Distinguir o cabeamento que corresponde ao aparelho conectado facilita o trabalho de manutenção, de limpeza e de monitoramento.

Além de organizar cabos e conectores é recomendado que eles não fiquem expostos. Cabos soltos em locais de passagem ou desprotegidos da variação climática podem comprometer a eficiência dos equipamentos e a segurança das pessoas em circulação.

5. Instalar o DVR em local inadequado

DRV é o gravador de vídeo digital responsável por armazenar as imagens das câmeras de segurança.

Por ser o equipamento que registra as informações captadas é essencial que ele seja instalado em local seguro e restrito.

Não é indicado que muitas pessoas tenham acesso ao DVR. Além de evitar a consulta das imagens sem autorização, limitar a permissão diminui imprevistos – como a desconexão acidental do sistema.

6. Não ter um sistema de nobreak

Investir em segurança requer atitudes preventivas e uma delas é contar com um sistema de nobreak. Seja para a casa ou para o trabalho, o nobreak garante o funcionamento de alarmes e dispositivos quando falta energia elétrica.

A fonte mantém por um um determinado tempo os equipamentos ligados e em operação.

7. Economizar na instalação

Depois de planejar e escolher os equipamentos mais adequados para o sistema de segurança é fundamental contar com profissionais qualificados para fazer a instalação.

Procure por técnicos e empresas reconhecidas no mercado que ofereçam materiais de instruções e treinamento para as pessoas que terão acesso aos dispositivos de alarmes e câmeras de segurança.

 

Diante dos erros apresentados, fica evidente que para fazer a instalação de sistemas de segurança é preciso passar por etapas importantes. São detalhes técnicos que vão fazer a diferença para manter sua casa e empresa seguras.

Se este post foi útil para você, não deixe de ler também o artigo sobre tendências de segurança eletrônica, e fique por dentro das novidades deste mercado.

Conheça os principais Sensores de Alarmes

Quando o assunto é segurança, os sensores de alarmes são equipamentos que sempre estão entre os mais utilizados em residências e empresas.
Para quem tem interesse por esses dispositivos é importante conhecer a tecnologia utilizada para escolher o sensor mais adequado.
Neste post você vai saber quais são as características dos principais sensores, chamados de passivos e ativos. Veja como eles funcionam e os locais indicados para instalação.

Sensores passivos

Os sensores de alarmes passivos são aqueles que identificam movimentos pela variação da temperatura no ambiente.
Conhecido também por sensor de presença, o equipamento pode ser utilizado para acionar a iluminação quando uma pessoa entra no local protegido, ou para disparar o alarme e comunicar a situação de risco ao sistema de segurança.

Como funcionam

O dispositivo é um receptor que identifica feixes de luz infravermelha. Quando ocorre a mudança de temperatura no ambiente, acontece também a variação de infravermelhos, o que faz com que o sensor seja acionado.
Sobre a composição, os equipamentos contam com uma lente Fresnel, conhecida por ser utilizada em faróis e por captar iluminação em posições oblíquas. Além da lente, possui um led que é acionado quando o sensor identifica a presença de alguém por meio do calor.
Existem dois tipos de sensores passivos: com e sem fio . O primeiro é conectado de forma direta com o sistema de segurança pela energia elétrica, enquanto o segundo envia informações por ondas de rádio e é mantido por baterias.

Locais de instalação

Como os passivos são sensíveis às mudanças de temperatura, são sensores que costumam ser instalados em ambientes internos.
Vale ressaltar que locais que recebem luz solar com intensidade — assim como ambientes expostos ao vento — devem ser evitados, pois podem acionar o alarme acidentalmente.

Sensores ativos

Diferente dos passivos que detectam a emissão de infravermelhos, os sensores ativos contam com 2 dispositivos: um deles emite luz e o outro identifica.
Este modelo também é conhecido como sensor de barreira , porque o feixe emitido entre os equipamentos forma uma linha invisível que, quando atravessada por algo, aciona o sistema de alarme.

Como funcionam

Os sensores ativos são compostos por aparelhos instalados em locais com possível passagem para invasores, sendo fixados cada um em uma extremidade, formando assim uma barreira de luz infravermelha.
A quantidade de feixes emitidos pelo sensor pode variar e — conforme a necessidade e o local de instalação — contar com um ou múltiplos feixes de luz.
É um sensor que pode ser instalado facilmente por profissionais do ramo. Além disso, tem como uma das principais vantagens o design discreto quando comparado com cercas elétricas.

Locais de instalação

Os ativos são sensores de segurança indicados para áreas externas . A variação da quantidade de feixes de luz é importante para estar de acordo com o local que será coberto, conforme a indicação técnica.

● Um feixe: ideal para áreas pequenas e mais restritas;
● dois feixes: indicado para muros e portões;
● múltiplos feixes: modelo de alta precisão e indicado para áreas amplas.

É importante salientar que para escolher o melhor sistema de segurança para sua casa ou empresa vai depender dos objetivos e das áreas que serão protegidas.
Aproveite que você já sabe um pouco mais sobre os dispositivos e conheça a linha de sensores de alarmes da JFL . Os modelos disponíveis tem como foco precisão e eficiência
para manter qualquer local seguro.

Mantenha sua casa segura e aproveite as férias de inverno

Com a chegada das férias no mês de julho muitas pessoas tiram do papel o planejamento de viagens e aproveitam para conhecer novos lugares.

Desfrutar de dias longe do trabalho, da escola dos filhos e de casa requer cuidados importantes para manter a residência segura.

Se você já está com as malas prontas e ainda não pensou na segurança do seus imóvel, saiba que ainda dá tempo para resolver essa questão.

Neste post, você vai conhecer as melhores soluções para cuidar da proteção da sua casa enquanto aproveita as férias viajando.

Sensores de alarmes

Os sensores de alarme são dispositivos utilizados com frequência em residências.

Existem dois tipos de sensores para atender as necessidades de segurança de cada ambiente: os passivos e os ativos.

  • Passivo: é um receptor de luz infravermelha que identifica movimentos pela variação da temperatura do local. Alguns fornecedores também classificam o equipamento como sensor de presença. Funciona para ligar a iluminação de áreas protegidas, ou para acionar o alarme e comunicar situações suspeitas;
  • ativo: é formado por 2 dispositivos — um deles emite luz e o outro identifica — . No mercado de segurança também é conhecido como sensor de barreira e é acionado quando tem a interferência de algo que atravessa a área protegida.

Cercas elétricas

Equipamento utilizado com frequência em muros, a cerca elétrica é um sistema de segurança que funciona como energizador.

É uma solução que aumenta a proteção por inibir e dificultar invasões em propriedades particulares e comerciais.

A cerca elétrica é feita com fios de aço que conduzem pulsos de alta tensão. O choque emitido pelo eletrificador se repete a cada 1 segundo. Ao ser tocada por alguém, o contato elétrico provoca o afastamento da pessoa.

Estão entre os principais benefícios das cercas elétricas o baixo consumo de energia elétrica e o investimento mais acessível quando comparado com outros sistemas de segurança.

Câmeras de segurança

Registrar a movimentação de ambientes por câmeras é uma solução eficiente para manter a casa segura.

As câmeras de segurança captam imagens para monitorar locais mais vulneráveis, como áreas externas e jardins. Também, são utilizadas em ambientes internos para acompanhar comportamentos de crianças, idosos e até mesmo de pets.

Alguns dos modelos disponíveis no mercado de segurança são:

  • Infravermelho: captam imagens em locais com pouca luminosidade;
  • IP: as câmeras podem ser acessadas via internet;
  • Dome: modelo revestido, indicado para ambientes internos;
  • Bullet: um dos modelos mais conhecidos é instalada em tetos e paredes.

Ainda, não basta contar apenas com sistemas de segurança para garantir a proteção da sua casa. O comportamento dos moradores é fundamental evitar tentativas de arrombamentos e invasões durante as férias.

Cuidados como avisar vizinhos de confiança da sua viagem, ser discreto e evitar comentar com estranhos que sua casa estará vazia são atitudes que fazem a diferença e colaboram para a segurança dos ambientes.

Antes de sair para aproveitar as férias de inverno, faça um check list e confira se as recomendações de segurança foram feitas, como trancar todas as portas e janelas.

A instalação dos sistemas de segurança são ágeis e rápidas quando realizadas por empresas especializadas no assunto. Por isso, ainda dá tempo de proteger seus bens antes de viajar.

Conheça as soluções da JFL, escolha o sistema ideal para manter sua casa segura, e boa viagem!

 

Os 7 erros mais comuns na instalação de alarmes e dispositivos de segurança

Para manter residências e empresas protegidas é preciso acompanhar todas as etapas da implantação de um sistema de segurança.

Não basta adquirir bons equipamentos para manter ambientes seguros. É muito importante que eles sejam instalados corretamente para serem efetivos.

Neste post, você vai conhecer os erros mais comuns cometidos por quem instala dispositivos de segurança. São 7 itens que devem ser evitados para zelar pela segurança do local.

1. Iniciar a instalação sem planejamento

Planejar a implantação do sistema de segurança é fundamental para que a instalação seja feita de forma correta.

O mapeamento das áreas que serão protegidas, as soluções mais assertivas e os equipamentos necessários são identificados no planejamento.

Além disso, é nesta etapa que os locais para os dispositivos de segurança são definidos, assim como os recursos que serão utilizados.

2. Não verificar a iluminação

A incidência de luz é uma questão técnica que deve ser considerada para instalar alarmes, sensores e câmeras. É preciso verificar como é a iluminação do local para escolher o dispositivo mais apropriado.

Ainda, é necessário que sejam feitos testes durante o dia e a noite para garantir o acionamento de sensores e a boa visibilidade de câmeras.

3. Escolher câmeras de baixa qualidade

Falando em câmeras de segurança, existem muitos modelos oferecidos no mercado. Para garantir a qualidade das imagens registradas é importante priorizar pela escolha de bons equipamentos.

É essencial ter em mente o objetivo da instalação de câmeras: monitorar e identificar situações de risco ou suspeitas. Neste caso, é essencial que o equipamento tenha resolução suficiente para isso.

4. Não organizar e expor cabos e conectores

A organização da infraestrutura do sistema de segurança deve ser feita logo na instalação. Distinguir o cabeamento que corresponde ao aparelho conectado facilita o trabalho de manutenção, de limpeza e de monitoramento.

Além de organizar cabos e conectores é recomendado que eles não fiquem expostos. Cabos soltos em locais de passagem ou desprotegidos da variação climática podem comprometer a eficiência dos equipamentos e a segurança das pessoas em circulação.

5. Instalar o DVR em local inadequado

DRV é o gravador de vídeo digital responsável por armazenar as imagens das câmeras de segurança.

Por ser o equipamento que registra as informações captadas é essencial que ele seja instalado em local seguro e restrito.

Não é indicado que muitas pessoas tenham acesso ao DVR. Além de evitar a consulta das imagens sem autorização, limitar a permissão diminui imprevistos – como a desconexão acidental do sistema.

6. Não ter um sistema de nobreak

Investir em segurança requer atitudes preventivas e uma delas é contar com um sistema de nobreak. Seja para a casa ou para o trabalho, o nobreak garante o funcionamento de alarmes e dispositivos quando falta energia elétrica.

A fonte mantém por um um determinado tempo os equipamentos ligados e em operação.

7. Economizar na instalação

Depois de planejar e escolher os equipamentos mais adequados para o sistema de segurança é fundamental contar com profissionais qualificados para fazer a instalação.

Procure por técnicos e empresas reconhecidas no mercado que ofereçam materiais de instruções e treinamento para as pessoas que terão acesso aos dispositivos de alarmes e câmeras de segurança.

 

Diante dos erros apresentados, fica evidente que para fazer a instalação de sistemas de segurança é preciso passar por etapas importantes. São detalhes técnicos que vão fazer a diferença para manter sua casa e empresa seguras.

Se este post foi útil para você, não deixe de ler também o artigo sobre tendências de segurança eletrônica, e fique por dentro das novidades deste mercado.

Conheça os principais Sensores de Alarmes

Quando o assunto é segurança, os sensores de alarmes são equipamentos que sempre estão entre os mais utilizados em residências e empresas.
Para quem tem interesse por esses dispositivos é importante conhecer a tecnologia utilizada para escolher o sensor mais adequado.
Neste post você vai saber quais são as características dos principais sensores, chamados de passivos e ativos. Veja como eles funcionam e os locais indicados para instalação.

Sensores passivos

Os sensores de alarmes passivos são aqueles que identificam movimentos pela variação da temperatura no ambiente.
Conhecido também por sensor de presença, o equipamento pode ser utilizado para acionar a iluminação quando uma pessoa entra no local protegido, ou para disparar o alarme e comunicar a situação de risco ao sistema de segurança.

Como funcionam

O dispositivo é um receptor que identifica feixes de luz infravermelha. Quando ocorre a mudança de temperatura no ambiente, acontece também a variação de infravermelhos, o que faz com que o sensor seja acionado.
Sobre a composição, os equipamentos contam com uma lente Fresnel, conhecida por ser utilizada em faróis e por captar iluminação em posições oblíquas. Além da lente, possui um led que é acionado quando o sensor identifica a presença de alguém por meio do calor.
Existem dois tipos de sensores passivos: com e sem fio . O primeiro é conectado de forma direta com o sistema de segurança pela energia elétrica, enquanto o segundo envia informações por ondas de rádio e é mantido por baterias.

Locais de instalação

Como os passivos são sensíveis às mudanças de temperatura, são sensores que costumam ser instalados em ambientes internos.
Vale ressaltar que locais que recebem luz solar com intensidade — assim como ambientes expostos ao vento — devem ser evitados, pois podem acionar o alarme acidentalmente.

Sensores ativos

Diferente dos passivos que detectam a emissão de infravermelhos, os sensores ativos contam com 2 dispositivos: um deles emite luz e o outro identifica.
Este modelo também é conhecido como sensor de barreira , porque o feixe emitido entre os equipamentos forma uma linha invisível que, quando atravessada por algo, aciona o sistema de alarme.

Como funcionam

Os sensores ativos são compostos por aparelhos instalados em locais com possível passagem para invasores, sendo fixados cada um em uma extremidade, formando assim uma barreira de luz infravermelha.
A quantidade de feixes emitidos pelo sensor pode variar e — conforme a necessidade e o local de instalação — contar com um ou múltiplos feixes de luz.
É um sensor que pode ser instalado facilmente por profissionais do ramo. Além disso, tem como uma das principais vantagens o design discreto quando comparado com cercas elétricas.

Locais de instalação

Os ativos são sensores de segurança indicados para áreas externas . A variação da quantidade de feixes de luz é importante para estar de acordo com o local que será coberto, conforme a indicação técnica.

● Um feixe: ideal para áreas pequenas e mais restritas;
● dois feixes: indicado para muros e portões;
● múltiplos feixes: modelo de alta precisão e indicado para áreas amplas.

É importante salientar que para escolher o melhor sistema de segurança para sua casa ou empresa vai depender dos objetivos e das áreas que serão protegidas.
Aproveite que você já sabe um pouco mais sobre os dispositivos e conheça a linha de sensores de alarmes da JFL . Os modelos disponíveis tem como foco precisão e eficiência
para manter qualquer local seguro.